Revolução Francesa dá os Primeiros Passos para os Direitos Políticos às Mulheres

No sumário da história a mulher sofreu muito mais do que esperava, sua história é marcada por lutas para conseguir ser sujeito de Direito, em Roma á mulher era submissa ao pater-familia onde tinha que presta obediência, antes do casamento a mulher não era reconhecida na sociedade romana sói após o casamento que tal tinha apenas um reconhecimento social, e ainda tinha que dar seus bens ao marido para tal ser o tutor, era como se a mulher desse um dote para casar. Na Grécia só quem participava da política decisões da polis eram os homens, mas com o passar dos tempos surgi um movimento chamada revolução francesa que significou queda de poder para a burguesia, é exatamente durante a revolução que surge o primeiro exemplo de um movimento de mulheres.

Em um momento de ascensão as mulheres comandaram uma passeata que acabou levando o rei a abandonar o seu castelo em Versalhes (Paris), toda essa luta não foi suficiente, é claro que fortaleceu as mulheres naquele momento, mas logo após as coisas se acalmarem tudo voltou ao normal, os homens tomaram o poder novamente e após algum tempo no século XIX é que movimento de mulheres começa efetivamente a ganhar espaço no cenário social mundial, tanto na frança como em toda a Europa. Apenas em 1913 na Noruega que as reivindicações das mulheres por Direitos políticos começaram a dar seus frutos. Já na atualidade as mulheres ocupam espaço cativo na sociedade, algumas em cargos importantes no Estado e assim por diante, a grande questão era que na naquela determinada situação elas tinham idéias modernas demais para o momento, a mulher tinha um referencia de ser uma pessoa do “La” e mudou radicalmente querendo participar ativamente das decisões do Estado, mas isso não é um erro do Estado e sim da própria sociedade daquela época, pois a própria cultura não portava mecanismos de mudança, uma cultura extremamente masculina onde as mulheres eram consideradas inferiores em tudo, se compararmos um escravo na Grécia e uma mulher os dois estavam em lados iguais, os escravos por sua vez não eram considerados ser humanos pelo simples fato de não terem conhecimento, os gregos afirmavam que o ser humano tem que se dedicar a maior parte de sua vida aos estudos, já as mulheres também não tinha chance de participar de uma universidade se tinha era uma minoria, então a culpa esta no modo de vida, na cultura, a sociedade não estava preparada para aquelas mudanças, já na sociedade atual as mudanças são encaradas com naturalidade.

Por tanto as culturas sociais tem muita influencia no desenvolvimento de uma sociedade e seu crescimento para um reconhecimento mundial, os países de primeiro mundo são assim, bastante preocupados com o bem estar cultural e isso é importante para um crescimento geral.

“Esse artigo é dedicado aquelas mulheres que lutam por seus ideais, e especialmente a uma mulher que é importante demais em minha vida, Brenda Mendonça Da Silva.”

Diego Humbelino Duarte
Idade: 19 anos
Curso: Direito, 3 períodos pelo Centro Universitário Luterano de Manaus.
E-mail: diego_duarte15@hotmail.com


Pesquise abaixo sobre filosofia:

Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof — Mantido por Carlos Duarte