NATALIDADE

Eu nasci. Os ingleses dizem: "I was born" (fui nascido - voz passiva). E, em português: nascer - voz ativa ou passiva. Talvez nenhuma delas; uma outra voz: "média".

Há coisas que fazemos que, decididamente, não somos o protagonista, somos levados a... como nascer.

A natalidade é um dos princípios a nortear a era virtual[1]. Ela aponta para o futuro, algo pequeno, frágil (ainda), mas, que carrega no seu bojo uma incomensurável energia de crescimento. A nós, cabe saber cultivá-la. Cortázar diria: as esperanças são sedentárias precisamos ir atrás delas[2].

Nossa janela universo está aberta para o inédito. Um novo comércio, uma forma diferente de aprender, outros encontros. Tudo nascendo, brotando. E nós aqui, assistindo, interagindo, vivendo. O novo surgindo inunda-nos de alegria. Isso acontece porque ele ainda não possui forma, existe, apenas, esperança pura, concepção sem decepção. Nosso êxtase é integral nada o macula.

Como o Natal, Cristo surge no mundo como promessa, trocamos presentes, anunciando a boa nova.

Repararam que Natal enfeitado? Será porque é o último do século, do milênio? Não sei... Rezo para que nos lembremos que a promessa de renovação a todos nós imanente, essa é sim, o verdadeiro presente: nasçamos.

[1] Os outros princípios são: dependência, solidariedade e nãoviolência.

[2] Histórias de Cronópios e de Famas.

© Prof. Dr. Guilherme Assis de Almeida


Leia também:

Você Sabe o Que é Eugenia?

Fome Zero: O Projeto Chupim de Lula

Pesquise abaixo sobre filosofia:

Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof — Mantido por Carlos Duarte